bannerfull

Eunápolis: Caseiro condenado por matar criança entre mortos em rebelião

Menina de três anos foi estuprada e morta em dezembro de 2008; assassino cumpria 37 anos e meio de prisão.

29 de abril - 2014 às 19h19
Eunpolis-Caseiro-condenado-por-matar-criana-entre-mortos-em-rebelio

* Com foto e informações Correio 24 horas

O caseiro Luzinê de Araújo Santos, 30 anos, condenado pelo estupro e morte uma menina de três anos em Trancoso, em 2008, está entre os seis presos mortos durante a rebelião ocorrida no Conjunto Penal de Eunápolis, no sul da Bahia, nesta segunda-feira (28). Luzinê estava preso desde 2009 no presídio de Teixeira de Freitas aguardando o julgamento. Em março, o juiz André Marcelo Strongenski sentenciou o caseiro a cumprir 24 anos de cadeia pelo crime de homicídio, 12 anos por estupro de vulnerável e atentado violento ao pudor, e mais um ano e seis meses pelo crime de ocultação de cadáver - totalizando 37 anos e meio. Após a condenação, Luzinê foi encaminhado para o presídio de Eunápolis.

O crime aconteceu no dia 4 de dezembro de 2008, em Trancoso, sul da Bahia. Luzinê trabalhava como caseiro na residência da menina Cloé Muratori Paroli, 3 anos, filha de Karl Joseph Paroli, 31, neozelandês, nativo de Napier, na Nova Zelândia, e da paulista Luciana de Vasconcelos Macedo Muratori, 33, que passavam as férias em uma casa de praia. Luzinê teria violentado sexualmente e matado a menina. Quando foi preso, ele chegou a confessar o fato, dizendo que quando cometeu o crime estava "tomado pelo diabo".


Rebelião

A rebelião envolveu 341 internos do pavilhão A do Conjunto Penal de Eunápolis, que comporta presos provisórios. O motim, que começou de manhã, durou oito horas e meia e só foi contido com a chegada de reforços da polícia, por volta das 18h — cerca de 60 policiais foram convocados e usaram bombas de gás lacrimogêneo. Os outros cinco presos mortos foram identificados como Valdiero Pereira da Silva, Gealdo Oliveira de Almeida, Sulivan Santos Marinho, Glimarim Soriano dos Santos e Melque Silva Souza. Mais sete detentos ficaram feridos. Cinco já receberam alta do Hospital Regional de Eunápolis e dois - Carlos Henrique Neri da Silva e Hudson Nascimento de Jesus - permanecem na unidade em observação, segundo a TV Bahia.

De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), a revolta começou depois de uma revista dos internos. Os detentos que estavam no pátio aguardando o fim do procedimento começaram a agredir os agentes e policiais militares com pedras e outros artefatos. Durante o confronto, um policial foi ferido na perna e recebeu atendimento dentro da unidade. Segundo a polícia, ele passa bem. A polícia precisou chamar reforços da Companhia Independente de Policiamento Especializado Mata Atlântica (Caema) para conseguir controlar a rebelião. “Foi difícil, mas, graças a Deus, com reforços, conseguimos”, afirmou o subcomandante da 7ª CIPM, Tiago Cruz.

A estrutura do pátio e de celas do pavilhão onde ocorreu a revolta foi destruída. Em nota, a Seap lamentou a morte dos detentos e afirmou que já prestou queixa na delegacia de Eunápolis, “para que sejam apuradas as autorias dos homicídios e a tomada de providências legais através do respectivo inquérito policial, independente da apuração administrativa”. Por conta da destruição das celas, os detentos serão transferidos.

Comentários

netools comunicação digital
Sertão Baiano - Todos os direitos reservados © - 2020