bannerfull

Governo corta 158 mil do Bolsa Família em meio a covid-19

O Nordeste voltou a ser a região mais afetada: 96.861 ou 61,1% do total. Ruindade demais!

20 de março - 2020 às 14h05
Governo-corta-158-mil-do-Bolsa-Famlia-em-meio-a-covid-19

UOL

O Ministério da Cidadania começou ontem a pagar a folha do mês de março aos beneficiários do programa Bolsa Família. Ao contrário da promessa de ampliar o programa em meio à crise social gerada pela doença covid-19, o governo federal fez um corte de 158.452 bolsas. O Nordeste voltou a ser a região mais afetada. Dos 158,4 mil benefícios a menos em março, 96.861 (ou 61,1% do total) foram retirados justamente da região que responde por metade dos benefícios totais do país. Em janeiro, das famílias que ingressaram no programa, apenas 3% eram do Nordeste, o que gerou uma série de críticas. O número de beneficiários é o menor do governo Jair Bolsonaro e o menor desde maio de 2017, quando o Bolsa Família teve o maior corte da história do programa — 543 mil bolsas foram retiradas. 

Cortes aumentam miséria

O doutor em Economia Social e pesquisador do Bolsa Família, Cícero Péricles de Carvalho, diz estar surpreso com a folha de março e com a explicação dada pelo ministério, já que o momento exigiria uma rápida ação para aumentar a renda das famílias pobres. "Impressiona que, num momento em que todos os países afetados pela epidemia estão ampliando suas políticas sociais como forma de enfrentar os impactos da crise nos setores mais pobres da população, o governo brasileiro reduza a cobertura no seu mais eficiente programa de combate à pobreza", opina.

Ele critica o fato de a maioria dos cortes ocorrer justamente no Nordeste. "A região tem apenas 27% da população brasileira, e teve 60% dos cortes. É um contrassenso", avalia. Sobre a justificativa do ministério de emancipação de 330 mil famílias, Carvalho contesta. "A redução da cobertura não combina em nada com o momento em que vive o país, com aumento da informalidade no mercado de trabalho e crescimento do número de pobres, como informa o IBGE, na Síntese de Indicadores Sociais", explica.

 

Comentários

netools comunicação digital
Sertão Baiano - Todos os direitos reservados © - 2020