bannerfull

MP-BA investiga retenção de macas do SAMU em Feira

Procedimento foi instaurado atendendo representação do ex-deputado Colbert Martins. Diretor do HGCA diz que problema é bem maior do que se imagina...

31 de outubro - 2014 às 09h46
MP-BA-investiga-reteno-de-macas-do-SAMU-em-Feira

A Tarde / Foto: Ilustrativa

A 2ª Promotoria do Ministério Público estadual (MP-BA), em Feira de Santana, instaurou inquérito civil para apurar as constantes retenções de macas, que resulta na permanência de ambulâncias e funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) no Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA). O procedimento foi instaurado atendendo a representação do ex-deputado Colbert Martins. Para ele, o problema traz prejuízos à população. "Prejudica o atendimento do Samu e põe em risco a vida de quem necessita do serviço". Sem macas suficientes para transferir das macas do Samu os pacientes que chegam, o hospital acaba interrompendo temporariamente o serviço de urgência, já que os atendentes do Samu não podem deixar o hospital sem maca. Isso  inviabiliza  o atendimento de novos chamados.  

O diretor do HGCA, José Carlos Pitangueiras, diz que a unidade tem 302 leitos para atendimento e que a demanda diária é 50% maior. O que significa que o atendimento está sempre acima do limite. "Todos os dias temos, no mínimo, 450 pacientes. A questão não é só a compra de macas. O problema é maior que isso", frisou o diretor. Na primeira audiência do caso, no início da semana,  foram ouvidos o diretor do HGCA e a coordenadora do Samu, Maísa Macedo. Procurada por A TARDE, a coordenadora argumentou que o MP-BA é que deve falar sobre o assunto.

Segundo o promotor de justiça Tiago Quadros, o inquérito vai apurar e buscar solução para o problema. Uma nova audiência ocorrerá no final de novembro. Quadros diz que um acordo emergencial entre as partes prevê a disponibilização de cinco macas  do Samu para ficarem no HGCA. "Quando o paciente chegar à unidade será colocado nessas macas, que estarão devidamente marcadas. A maca da  ambulância será liberada", explica o promotor.

Quadros ressalta que tanto o Samu quanto o Hospital Clériston Andrade levarão, na próxima audiência, um relatório de monitoramento dos casos encaminhados para o HGCA, para identificar situações que podem comprometer o atendimento do hospital, como o encaminhamento para a instituição de casos que podem ser levados para outras unidades.  Isso é motivo de queixa da direção do HGCA, segundo o promotor, que vai fixar normas de gerenciamento das macas do Samu.

 

Comentários

netools comunicação digital
Sertão Baiano - Todos os direitos reservados © - 2020