bannerfull

Nome de Cafu é especulado na disputa pela Assembleia

Ex-prefeito de Ibititá é prudente ao comentar assunto, mas desponta como liderança da Região.

22 de janeiro - 2021 às 12h13

Daniel Pinto

Como um território com 23 cidades, mais de 350 mil eleitores, marcado pela diversidade cultural, com Agricultura forte e comércio pujante pode ser tão carente de representação na Assembleia Legislativa? Essa questão tem causado grande desconforto entre lideranças políticas, empresários, educadoras, irrigantes, jovens estudantes e outras tantas “cabeças pensantes” da Região de Irecê, que veem as demandas das suas cidades tratadas com desinteresse. Enquanto isso, no tabuleiro da “geopolítica” baiana, outras regiões conseguem atrair investimentos, desenvolvem parques industriais, se tornam polos universitários e são beneficiadas com grandes volumes de recursos públicos. Outra pergunta se torna ainda mais urgente: como equacionar essa situação? 

Em meio à esse cenário, já de olho nas eleições de 2022, ganha força o entendimento de que para ter o devido respeito e para sonhar com novas ambições coletivas é extremamente necessário eleger representantes da Região de Irecê para a Assembleia Legislativa da Bahia. Na medida em que a ideia da legitimidade é maturada, o nome do ex-prefeito de Ibititá Cafu Barreto (PSD) ganha força e desponta como liderança política do território. Nos bastidores do poder, ele é cotado para disputar uma vaga no Legislativo estadual. A especulação ganhou ainda mais força com a notícia de que o deputado estadual Diego Coronel (PSD) - um dos mais votados na macrorregião em 2018 - tem pretensões de ir para Câmara dos Deputados no próximo pleito. 

GRATIDÃO 

Com o “quebra-cabeça” sendo montado, a reportagem do Sertão Baiano falou com Cafu para apurar as movimentações políticas. Prudente, o ex-prefeito de Ibititá se mostrou feliz com o reconhecimento, mas não confirmou a informação. “Acabei de finalizar o meu segundo mandato e me sinto orgulhoso com todas as conquistas e realizações do município de Ibititá. Agora, com o fim desse ciclo, tenho me dedicado aos meus negócios e a minha vida pessoal. Mas, não tenha dúvida: estarei sempre à disposição para defender minha cidade e toda a região. Aqui eu nasci, cresci e me criei. Tenho uma relação de amor, uma verdadeira dívida de gratidão com essa terra”, afirmou o ex-gestor. 

Com forte identificação partidária, Cafu sustenta que qualquer definição para 2022 depende do aval dos senadores Otto Alencar e Angelo Coronel. “São os líderes do nosso grupo. Dois homens públicos experientes, com serviços prestados à Bahia e ao Brasil. Tudo depende do norte que será definido pela executiva estadual do PSD. Até lá, só nos resta continuar trabalhando com a mesma seriedade e comprometimento. Nesse momento de pandemia, o importante mesmo é lutar para garantir a vacinação de toda população”, concluiu. 

Cafu Barreto foi prefeito de Ibititá entre 2013 e 2020. Depois de elevar o patamar dos serviços públicos e requalificar a estrutura administrativa do município, ganhou destaque pela austeridade e transparência com gastos públicos e pelo bom relacionamento nas esferas estadual e federal. Além disso, foi peça-chave na eleição da sucessora Nilvinha dos Santos. Também deixou R$ 30 milhões assegurados (entre convênios e emendas) e construiu o tão sonhado Hospital Municipal Urbano Macêdo depois de 59 anos de espera da comunidade ibititaense. 

>>>LEIA MATÉRIA RELACIONADA

IBITITÁ: Com a casa em ordem, Cafu encerra gestão e deixa R$ 30 milhões assegurados 

Comentários

netools comunicação digital
Sertão Baiano - Todos os direitos reservados © - 2021