bannerfull

Pesquisadores desenvolvem protetor solar à base de maracujá do mato

Tecnologia teve sua patente de invenção concedida pelo INPI e já pode ser licenciada. Aprenda mais sobre a cultura!

18 de outubro - 2021 às 11h59
Pesquisadores-desenvolvem-protetor-solar-base-de-maracuj-do-mato

Divulgação

O protetor solar é um dos produtos essenciais na vida do indivíduo. É através dele que é possível se proteger dos efeitos causados pela exposição à luz do sol, como envelhecimento precoce, câncer de pele e queimaduras. Por isso, estudos para melhorar a produção dos fotoprotetores são realizados pelo mundo. Na Universidade Federal da Bahia (Ufba), os pesquisadores desenvolveram um protetor solar a partir do extrato de Passiflora cincinnata, mais conhecida como folha de maracujá do mato, uma planta comum no semiárido baiano. A tecnologia obteve a patente de invenção concedida pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

A ideia é fruto de uma dissertação de mestrado feita por Danilo Menezes Oliveira, orientado pelo Prof. Mateus Freire Leite, e coorientado pelo Prof. Juliano Geraldo Amaral, no Programa de Pós-graduação em Biociências da Ufba, campus de Vitória da Conquista. Após estudarem mais de 13 espécies de vegetais do semiárido baiano, os pesquisadores descobriram a capacidade da folha do maracujá do mato como ativo fotoprotetor. “O nosso grupo de pesquisa avaliou o potencial da Biodiversidade local para utilização em composições cosméticas para fotoproteção. Das 13 espécies avaliadas, o potencial do extrato das folhas de Passiflora cincinata, para proteção da radiação Ultravioleta A e B chamou atenção e nos levou a desenvolver a tecnologia”, afirma Mateus.

O protetor solar é uma associação de filtros que auxiliam o ser humano a absorver, dispersar ou refletir a radiação ultravioleta A (UVA) e ultravioleta B (UVB). Nesta tecnologia, o extrato da folha do maracujá do mato é veiculado em sistema nanométrico, sendo misturado com outros componentes para se tornar um fotoprotetor. “A tecnologia pode ser associada a outros filtros solares e apresenta perfil sensorial de baixa oleosidade. O produto final pode ter diferentes formas de apresentação, como spray, cremes, loções, géis e composições labiais”, explica.

A tecnologia, que é de titularidade da Ufba, está finalizada e disponível para licenciamento. De acordo com Mateus Freire, a utilização da folha do maracujá do mato é benéfica porque é uma fonte natural e sustentável. Além disso, o professor destaca que a tecnologia pode estimular a economia da região semiárida.  “Delimitando as pesquisas na área em espécies regionais, pode-se alcançar um relevante impacto social. Ao desenvolver formulações fotoprotetoras baseadas em princípios ativos naturais extraídos sustentavelmente da biodiversidade brasileira, se tem a possibilidade de se fomentar a economia das regiões abrangidas”.
 

 

Bahia Faz Ciência 

A Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb) estrearam no Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador Científico, 8 de julho de 2019, uma série de reportagens sobre como pesquisadores e cientistas baianos desenvolvem trabalhos em ciência, tecnologia e inovação de forma a contribuir com a melhoria de vida da população em temas importantes como saúde, educação, segurança, dentre outros. As matérias são divulgadas semanalmente, sempre às segundas-feiras, para a mídia baiana, e estão disponíveis no site e redes sociais da Secretaria e da Fundação. Se você conhece algum assunto que poderia virar pauta deste projeto, as recomendações podem ser feitas através do e-mail comunicacao.secti@secti.ba.gov.br.

Comentários

netools comunicação digital
Sertão Baiano - Todos os direitos reservados © - 2021