bannerfull

Renato Quintiliano será 15º brasileiro Grande Mestre de xadrez

Jogador venceu campeonato no domingo (27) e agora tem os pré-requisitos para obter o título vitalício. Saiba mais!

01 de março - 2022 às 10h46
Renato-Quintiliano-ser-15-brasileiro-Grande-Mestre-de-xadrez

Veja São Paulo // Xadrez Brasil // RafaelLeitao.com

No início da tarde de domingo (27), um tabuleiro na Escola de Xadrez França Garcia, em Osasco, atraía os olhares de quem acompanha a modalidade no Brasil. Renato Quintiliano, 29, nascido e criado na cidade, disputava a última rodada do torneio Magistral de Osasco contra Julia Alboredo, 25, uma das mais fortes jogadoras do país. Por volta das 14h, Quintiliano, nervoso na cadeira, moveu o cavalo para a casa de D6 (ele comandava as peças brancas) e a adversária lhe estendeu a mão, abandonando a partida. Campeão, o jovem “prata da casa” conquistava a última exigência técnica para se tornar Grande Mestre, título vitalício que apenas 14 brasileiros receberam antes dele. 

O desempenho rendeu a Quintiliano a terceira “norma” de Grande Mestre, quantidade de graduações exigida pela FIDE (a federação mundial) para o título. São raríssimos os eventos nacionais que concedem o certificado. Apoiado pela prefeitura, o torneio de Osasco cumpriu exigências como ter um certo número de Grandes Mestres e participantes estrangeiros. Quintiliano possuía também o outro pré-requisito: ter superado, em algum momento da carreira, os 2 500 pontos no ranking da FIDE (hoje, tem 2 486). O meio do xadrez dá como certo que o brasileiro será coroado Grande Mestre no próximo congresso da instituição – no momento, adiado por um inconveniente: seria na Rússia, em abril. A FIDE vai procurar uma nova sede.
 


Filho de uma secretária e um caldeireiro industrial e dono de bar, Quintiliano é formado como tecnólogo de precisão pela Fatec (Faculdade de Tecnologia de São Paulo), mas vive do xadrez desde 2013. Começou a jogar aos dez anos e só entrou para os campeonatos aos 15, algo considerado tardio para a categoria. “Antes, não tinha condições de competir por falta de dinheiro para passagens e hotéis”, ele conta. Atualmente, Quintiliano dá aulas online, faz transmissões nas redes sociais e escreve artigos para publicações estrangeiras especializadas – textos de até cem páginas sobre temas super específicos da modalidade. “Hoje, tenho uma condição bem melhor. O xadrez teve um boom nos últimos anos”, diz.

Osasco, na Grande São Paulo, tem tradição no xadrez. A cidade revelou destaques como Roberto Watanabe e Jefferson Pelikian. “Fico feliz pelo título, é algo histórico. Ao mesmo tempo, é triste que só existam 14 Grandes Mestres no país”, acredita Quintiliano. “Houve um crescimento acentuado no número de Grandes Mestres nos últimos anos, mas o Brasil ficou de fora dessa corrida, porque tem poucos campeonatos que valem normas [o último tinha acontecido em 2017, quando o catanduvense Luís Paulo Supi se tornou o 14º Grande Mestre brasileiro]”, ele afirma. “Temos jogadores fortes, mas não os campeonatos certos”, diz. Elevado a Grande Mestre, Quintiliano deve disputar mais torneios de elite. “Pretendo jogar o Continental, em maio, em El Salvador”, conta. “Agora, enfim, vou conseguir jogar menos nervoso. A expectativa de virar Grande Mestre pesava”, diz o enxadrista – que tentava a titulação desde que se tornara Mestre Internacional, o degrau anterior, em 2015.

>>>CONHEÇA OS GRANDES MESTRES DO BRASIL


Henrique Mecking – 1972;

Jaime Sunye – 1986, Gilberto Milos – 1988;

Darcy Lima – 1997, Rafael Leitão – 1998, Giovanni Vescovi – 1998; 

Alexandr Fier – 2007, André Diamant – 2009, Felipe El Debs – 2010, Krikor Mekhitarian – 2010;

Everaldo Matsuura – 2011, Evandro Barbosa – 2016, Yago Santiago – 2017, Luis Supi – 2018,  

e… Renato Quintiliano – 2022, o 15º GM brasileiro!

Comentários

netools comunicação digital
Sertão Baiano - Todos os direitos reservados © - 2022