bannerfull

Ficção e poesia se fundem em romance de Daniel Pinto

Dramático e bem-humorado, #NALGUMLUGAR transforma cotidiano e natureza da Bahia em realismo fantástico. Assista leitura do primeiro capítulo! Disponível na Amazon! Boa viagem!

02 de abril - 2020 às 10h27
Fico-e-poesia-se-fundem-em-romance-de-Daniel-Pinto

Divulgação

Por Adriana Cerqueira 

#NALGUMLUGAR é um trailer de ação e fantasia ambientado em Salvador e Região Metropolitana, que narra aventuras de dois irmãos encantados - da infância conturbada e traumática, passando pela adolescência prodigiosa, quando descobrem o amor, a humanidade e reinventam o conceito de família; até a ruptura trágica com o desaparecimento de Tereza, matriarca e grande heroína da história.

A trama tem como ponto de partida a capital baiana pouco após a redemocratização, mas podia ter sido Recife, Fortaleza, São Paulo, Dakar, Praia ou qualquer outro lugar marcado pela desigualdade social e pela luta de classes. Livro de estreia de *Daniel Pinto, #NALGUMLUGAR tem capa do polivalente tatuador Barba Vasconcelos e prefácio do consagrado jornalista José Bomfim. O arquivo está disponível nas lojas virtuais da Amazon nos formatos impresso e eBook, compatível com iphone, smartphone, tablet e PC. 

Confira!!! 

Com forte apelo imagético, o romance tem a textura de um filme minimalista, dinâmico e frenético. Ficção, realidade e poesia se misturam numa narrativa delirante, que passeia pelo interior da Bahia, deságua no Rio São Francisco e desafia (despretensiosamente) padrões estéticos, conceitos filosóficos e questiona até mesmo o maior dos mistérios da vida: a morte. Nunca abdique da liberdade de imaginar além... Dramático e com construção garbosa, #NALGUMLUGAR "também tem muito humor, esporte (principalmente o Esporte Clube Bahia) e o encerramento com o mais puro realismo fantástico", descreve Bomfim no prefácio e segue: "até o pilantra Astor é interessante, da infância abastada no interior da Bahia ao túmulo barato na periferia de Salvador, Astor Morais de Almeida sobreviveu a chifrada de boi, acidente de carro, dois tiros (pulmão e ombro); mordida de cachorro raivoso e picadas de escorpião, cobra e marimbondo; sobreviveu ao tabaco, alcoolismo, leptospirose, pancreatite, cirrose, tuberculose, ao câncer de próstata e até mesmo a solidão". Boa viagem! 

>>> PRIMEIRO CAPÍTULO 
 


Inocência   

 

“A gente aproveita o suporte do xaxim em cima da porta da sala e pendura uma corda. Pode ser até um cadarço... Talvez”. 
“Pra quê?”.
“Pra colocar alguma coisa bem pesada e soltar na cabeça dele quando ele passar”.
“Mas, você acha que ele vai morrer?”.
“Acho que não”.                                                                                                                                                                  
“Aí vai ser pior pra gente”.
“Então, a gente vai ter que completar o serviço: talvez passar por cima dele com o carro de rolimã. Eu te empurro, você pilota! Ou talvez seja melhor (com certeza vai fazer menos barulho) abrir a boca dele e jogar água sanitária até ele sufocar”.                                                                                                                                                                                     

“A água é melhor... Deixa eu ver se tem alguma garrafa aberta lá dentro”.                                                                                                             “E o que podemos pendurar na corda...”, pensou o irmão mais velho, mentor intelectual do plano.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   
“Botijão de gás? Muito pesado”, descartou.                                                                                                                                        

“Panela de pressão! Pode ser... Mas, teria que colocar alguma coisa dentro pra ficar mais pesada. O quê? Areia, água, cimento... Onde vou encontrar cimento, meu Deus?! Areia e água”, maquinou, triunfante, como se fosse a melhor ideia de sua vida. 
“Olha só, meu irmão, tem uma garrafa quase cheia”, anunciou o mais novo com o ímpeto de quem ainda vivia a primeira infância. 
“Massa! Vou pendurar a panela de pressão na corda cheia de areia e água. Já tá tudo pronto! Vamos repassar: penduramos a corda em cima da porta com a panela, assim que ele abrir a porta eu solto a corda; ele desmaia e a gente derrama a garrafa inteira na boca dele. Entendeu?”, perguntou em tom solene o mais velho.                                                                                                                                                                                                                                                           
“Entendi... E depois?”.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         
“Depois a gente tira a corda, joga a areia pela janela, lava bem as mãos, toma um iogurte (eu tomo dois porque sou maior, né)... Aí a gente vai dormir e pede a Deus que ele morra e nos deixe em paz”.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     
“Será que Deus vai nos ajudar?”, questionou, desconfiado e temeroso, o ajudante.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   
“Sei não. Mas, se Deus for bom mesmo, seu pai nunca mais volta pra casa”, disparou secamente o primogênito com o olhar carregado de rancor. Neste instante, sentiu náusea ao lembrar-se das vezes em que o pai chegou embriagado e bateu em sua mãe.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                  
“É seu pai também”, retrucou o pequeno com a voz embargada, como se estivesse 
“É verdade! Infelizmente, esse desgraçado também é o meu pai. Mas, essa história acaba hoje. Por enquanto, vamos assistir TV e quem sabe tomar logo aquele iogurte. Daqui a pouco aquele filho da puta chega do bar”.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 
E assim os irmãos Henrique e Raul se sentaram no sofá da sala com a certeza de que o plano era infalível. Como é comum às crianças de oito e onze anos, completamente inexperientes no ofício da morte, não se preocuparam com pormenores, nem com a execução, tão pouco com a desova do corpo. Mesmo convictos do que teriam que fazer, foram traídos pelo sono e dormiram cada um em seu lugar predileto do sofá. Foram despertados pela mãe, que, durante todo o tempo, trabalhava no quarto. Raul, o mais novo, já tinha esquecido de tudo. Henrique lembrou (quase que vagamente) do compromisso. Mas, resolveu se entregar ao amor materno. Também não queria envolver a mãe. Todos dormiram juntos numa cama grande no quarto do casal. Era uma cama antiga, com cabeceira de madeira e cômodas nas laterais.                                                                                                                                                                                                                                                           
O pai não apareceu.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         
“Foi a melhor noite da minha infância”, lembrará Henrique anos mais tarde.                                                                                                                                                                             
Terá sido uma intervenção divina? Uma prova da bondade infinita de Deus?



  Clique AQUI e leia #NALGUMLUGAR 

 


SOBRE O AUTOR 

Formado em Comunicação Social, *Daniel Pinto é editor do sertaobaiano.com.br, redator, roteirista, batuqueiro, trabalha com Comunicação Institucional e Marketing Político. Natural de Salvador, mora em Irecê - cidade entre o Sertão e a Chapada Diamantina. Com passagens pelos principais veículos de Comunicação de Salvador e serviços prestados à Agência Brasil, Ministério da Integração Nacional, Petrobras, Prefeitura de Irecê; além de participação em campanhas eleitorais na capital, Feira de Santana e outras cidades do interior da Bahia. Ganhador do Prêmio Jânio Lopo de Jornalismo, concedido em 2010 pela Câmara Municipal de Salvador, em função da cobertura dos trabalhos da Casa Legislativa naquele ano.  >>> Email: dspinto99@gmail.com

Comentários

netools comunicação digital
Sertão Baiano - Todos os direitos reservados © - 2020