bannerfull

Prisão enterra planos políticos de Geddel na Bahia em eleição de 2018

Com a candidatura de ACM Neto ao governo, o vice Bruno Reis deve assumir a prefeitura de Salvador e ser destacado como principal nome do PMDB na Bahia.

05 de julho - 2017 às 08h55
Priso-enterra-planos-polticos-de-Geddel-na-Bahia-em-eleio-de-2018

Folhapress / Bocão News

A prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) na segunda-feira (3) enterrou os planos do peemedebista de ser eleito para um cargo majoritário na Bahia em 2018. Até o final do ano passado, quando esteve à frente as Secretaria de Governo do presidente Michel Temer (PMDB), Geddel preparava-se para disputar o Senado na chapa que deverá ser encabeçada pelo prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM). Se a saída do ministério de Temer já o tinha enfraquecido politicamente, a prisão o deixa completamente fora do jogo para as próximas eleições, avaliam aliados. Deputado federal entre 1991 e 2010, Geddel disputou o governo da Bahia em 2010 e o Senado em 2014, sendo derrotado nas duas oportunidades. Foi ministro do governo Luiz Inácio Lula da Silva entre 2007 e 2010 e do governo Temer em 2016, até deixar o cargo sob acusação de pressionar ex-ministro da Cultura Marcelo Calero a liberar um empreendimento em área tombada de Salvador, conforme revelado pela Folha. 

Nas últimas semanas, aliados já descartavam o retorno de Geddel a disputas políticas na Bahia no curto prazo. O ocaso do peemedebista deve ganhar ainda um novo ingrediente a partir do ano que vem. Com a provável candidatura de ACM Neto (DEM) ao governo do Estado, o vice-prefeito Bruno Reis (PMDB) deve assumir a prefeitura de Salvador e ser alçado ao posto de principal nome do partido na Bahia. Apesar de ter sido eleito vice-prefeito com a chancela dos Vieira Lima, Reis é amigo e aliado político histórico de ACM Neto, de quem foi assessor e secretário municipal. É conhecido pela habilidade na negociação política. Após a prisão preventiva de Geddel no âmbito da operação Cui Bono, que investiga sua gestão na vice-presidência de pessoa jurídica na Caixa Econômica Federal, entre 2011 e 2013, aliados na Bahia evitaram fazer uma defesa pública do peemedebista. 

Em nota, ACM Neto (DEM) disse que é preciso aguardar os desdobramentos dos fatos para fazer juízo de valor acerca da prisão do ex-ministro. "Nesta hora, quando as informações são muito preliminares, prefiro não antecipar nenhum juízo de valor até que tudo seja devidamente esclarecido", afirmou. O vice-prefeito Bruno Reis disse esperar que "o ex-ministro apresente as devidas explicações à Justiça e saia da melhor maneira possível dessa situação". 

No comando do PMDB baiano desde os anos 1990, Geddel é conhecido pelo estilo centralizador, o que tornou o partido na Bahia carente de renovação. Desta forma, o enfraquecimento político dele aumenta a possibilidade de o PMDB sequer participar da disputa majoritária na Bahia em 2018. Partidos como o PSDB e PRB devem ser contemplados com as vagas para disputar o Senado na chapa de ACM Neto. O PR, que hoje faz parte da base do governador Rui Costa (PT), também é cotado para integrar a chapa.

 

Comentários

netools comunicação digital
Sertão Baiano - Todos os direitos reservados © - 2017